Patrocinado
Início Finanças R$ 109 bilhões em distorções contábeis no primeiro ano do governo Lula...

R$ 109 bilhões em distorções contábeis no primeiro ano do governo Lula são apontados pelo TCU

lula
Imagem: TV Brasil

O Tribunal de Contas da União (TCU) identificou “distorções contábeis” de R$ 109 bilhões no balanço do primeiro ano do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

As discrepâncias incluem ativos, passivos e patrimônio, e foram destacadas no parecer do ministro Vital do Rêgo, aprovado pela Corte com ressalvas. A decisão foi unânime entre os nove integrantes do TCU e agora segue para análise do Congresso Nacional.

AINDA: Super ricos são “risco à democracia”, afirma Lula, em discurso fora de pauta e repetitivo

Vital do Rêgo apontou que as distorções, especialmente na reavaliação de imóveis e ajustes inadequados relacionados a benefícios pós-emprego, são “materialmente relevantes”. O relatório também identificou irregularidades na concessão de benefícios tributários pelo Executivo, com um aumento de 295% na renúncia de receita de 2023 a 2026 em comparação com 2021 a 2024.

MAIS: Para minimizar crise Lula afirma que “Haddad é um ministro extraordinário”

Em 2023, a renúncia fiscal totalizou R$ 274 bilhões, representando mais da metade dos gastos tributários do ano anterior em impostos como PIS/Cofins e Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL). Vital do Rêgo destacou: “De cada R$ 5 que poderiam ser arrecadados, R$ 1 é convertido em benefício fiscal e não entra no caixa do Tesouro”.

SAIBA: Dólar apanha de todas as moedas menos do Real. Taxas de juros futuro do Brasil sobem na contramão do exterior

Acesse as notícias que enriquecem seu dia em tempo real, do mercado econômico e de investimentos aos temas relevantes do Brasil e do mundo pelo telegram Clique aqui. Se preferir siga-nos no Google News: Clique aqui. Acompanhe-nos pelo Canal do Whastapp. Clique aqui

LEIA: Relatório do BC aponta no ano forte alta no lucro dos grandes Bancos e rentabilidade entre as maiores do mundo

Vital do Rêgo questionou a legitimidade do modelo de transferência de recursos públicos para o patrimônio de particulares e sugeriu que o governo suspenda novas concessões de benefícios fiscais em um cenário de déficit fiscal. “A intenção é que a União pare de se endividar, pagando juros altíssimos, ao mesmo tempo em que concede esse tipo de benefício”, ressaltou.

VEJA: Lula é “amigo do especulador, mas se diz pai dos pobres”, afirma jornal

O relatório também destacou um déficit de R$ 428 bilhões nos regimes de previdência, distribuído entre o Regime Geral (R$ 315 bilhões), Regime dos Servidores (R$ 55 bilhões), Sistema de Proteção Social dos Militares (R$ 49 bilhões) e o Fundo Constitucional do DF (R$ 8 bilhões). O déficit total é a diferença entre R$ 638 bilhões de receitas arrecadadas e R$ 1 trilhão de despesas.

AINDA: Instituto Lula utilizou 100 mil militantes para disseminar desinformação pelo WhatsApp na campanha em 2022, afirma jornal

Vital do Rêgo enfatizou os gastos tributários sobre a previdência social, que atingiram R$ 73 bilhões, e defendeu a redução da renúncia tributária previdenciária e da inadimplência de pagamentos de tributos previdenciários. E

le concluiu: “Revisitar ou promover nova reforma previdenciária não reduzirá o déficit da previdência se não forem reduzidas a renúncia tributária previdenciária e a inadimplência de pagamentos de tributos previdenciários mediante atuação incisiva dos entes fiscalizadores”.

Receba conteúdo exclusivo sobre os temas de seu interesse! Confirme em sua caixa de e-mail sua inscrição para não perder nada

Sair da versão mobile
×