Patrocinado
Início Governo Lula 3 Contrato firmado pela Petrobras gera prejuízo de R$ 500 milhões afirma TCU

Contrato firmado pela Petrobras gera prejuízo de R$ 500 milhões afirma TCU

Prates terá de explicar sua ligação com empresas de consultoria de Petróleo para a diretoria da Petrobras. Anunciado como futuro presidente da Petrobras, o senador Jean Paul Prates tem de driblar mais do que Lei das Estatais para assumir o cargo. Prates é sócio de diversas
Lula e Prates Image: Redes Sociais
Patrocinado

O TCU (Tribunal de Contas da União) cobrou explicações da Petrobras (PETR3; PETR4) sobre o contrato de industrialização por encomenda (tolling) firmado com a Unigel. O acordo, assinado em 29 de dezembro de 2023, garantiu a retomada das atividades das fábricas de fertilizantes da petroleira que estão arrendadas (alugadas) para a empresa na Bahia e em Sergipe.

O ministro Benjamin Zymler, relator do caso, expediu decisão na última quarta- feira determinando a manifestação da Petrobras e do Ministério de Minas e Energia em até 5 dias. Análise técnica da Corte de Contas indicou que o contrato pode causar um prejuízo de R$ 487 milhões ao caixa da petroleira.

Patrocinado

MAIS: Boulos deve mais de R$ 44 mil para União de campanha eleitoral

Acesse as notícias que enriquecem seu dia em tempo real, do mercado econômico e de investimentos aos temas relevantes do Brasil e do mundo pelo telegram Clique aqui. Se preferir siga-nos no Google News: Clique aqui.

AINDA: Barroso comemorou o fato de que “as instituições funcionam na mais plena normalidade”. Estadão critica decisões do STF e pergunta, para quem?

No despacho, o ministro afirmou que a inviabilidade econômica da contratação “parece ser indiscutível” uma vez que a própria Unigel, no 2º semestre de 2023, decidiu suspender as atividades das plantas arrendadas alegando a inviabilidade econômica da operação, mesmo havendo contratos de gás natural de ship or pay (modelo de garantia de fornecimento com pagamento mensal) firmados com a Petrobras e a Shell.

Contrato firmado pela Petrobrás em 2023 é irregular e negativo para empresa

O ministro, seguindo o parecer técnico, entendeu que o contrato afronta aos princípios da eficiência, da economicidade e da razoabilidade por ser uma solução provisória diante de outras possibilidades perenes. Lembrou ainda que ao final dos 8 meses a estatal terá que novamente reavaliar a questão, “tendo que escolher entre prolongar indefinidamente o contrato de tolling, o que poderia ocasionar prejuízos ainda maiores do que qualquer outra solução definitiva”.

SAIBA: Agenda do mercado começa com atraso de divulgação do Focus devido a greve de servidores públicos

A área técnica do TCU identificou “indícios de irregularidades” no acordo, como falha nas justificativas para a realização do negócio, falta de assinatura de instâncias superiores da companhia no contrato e o fato da Petrobras assumir os riscos do negócio em cenário de mercado desfavorável, Zymler afirmou que ao manter o contrato de arrendamento ao mesmo tempo que contrata a Unigel de forma terceirizada para operar a fábrica, a Petrobras “passa a fornecer o gás e receber fertilizante, tornando-se responsável por sua comercialização, assumindo o ônus de uma operação deficitária de quase meio bilhão de reais em um período de 8 meses”, diz na decisão.

LEIA: IBM dá ultimato a gestores para trabalho presencial, ou “saiam da empresa”

O despacho cita que a análise de riscos da própria estatal sobre o contrato “teria apontado que sua celebração acarretaria um prejuízo esperado de R$ 487,1 milhões, ao passo que as demais alternativas consideradas, de (i) retomada de ambas as plantas pela Petrobras e (ii) não realização do tolling e não retomada das plantas pela estatal Petrobras, acarretariam prejuízos ainda maiores, de R$ 1,23 bilhão e R$ 542,8 milhões, respectivamente”.

A auditoria técnica recomendou a suspensão da eficácia do contrato, o que ainda será analisado pelo TCU após a manifestação das partes. Zymler optou por ouvir as empresas e o governo previamente, requerendo inclusive que sejam informados os valores já pagos.

MAIS: Pedido de prisão de ex-diretor da Gaviões da Fiel e membro do PCC é negado por Barroso

No entanto, Zymler afirmou que a comparação seria imprópria, pois, “em razão do tolling ser economicamente inviável e apresentar prejuízos operacionais mensais, quanto maior o tempo do contrato, maior o prejuízo auferido pela Petrobras, sendo o inverso verdadeiro. Por outro lado, as demais alternativas aventadas, apesar de suas premissas terem sido duramente questionadas pela unidade técnica, não sofrem impactos relevantes com o prazo, pois seriam soluções definitivas”.

Contrato assinado em 2023 não tem viabilidade econômica

A Petrobras arrendou as Fafens da Bahia e de Sergipe para a Proquigel, subsidiária da Unigel, em 2019, no governo Jair Bolsonaro (PL). O contrato tem duração de 10 anos. No entanto, a empresa a paralisou as 2 fábricas de fertilizantes em 2023 pela falta de lucratividade. Tal fato, segundo Benjamin Zymler, mostra que é indiscutível a inviabilidade econômica da operação.

O que o tolling faz com o arrendamento que estava contratado por 10 anos?

O tolling livra a Unigel de ser responsável por operar as empresas de forma lucrativa para pagar o arrendamento feito por 10 anos a Petrobras.

Pelo acordo de tolling assinado em 2023 a Unigel seguirá na operação das duas fábricas, que terão o gás natural fornecido pela Petrobras. A produção final também será comercializada para a estatal. É como se a empresa fosse operar a fábrica para a petroleira de forma terceirizada e não mais mais de forma independente e ainda, com a obrigação de pagar o arrendamento.

Qual a justificativa da Petrobras?

A empresa justificou a necessidade de abastecimento do mercado nacional de fertilizantes e que por isso reposicionou suas operações do segmento no novo Plano Estratégico. A empresa não comentou sobre os prejuízos que o contrato geram para a mesma e seus acionistas.

LEIA: País tem menor número de fusões e aquisições dos últimos anos

As fábricas já apresentaram prejuízo no antigos governos petistas

O contrato tem valor total de R$ 759,2 milhões e vale para as unidades de Camaçari (BA) e Laranjeiras (SE). As fábricas entraram em operação em 2013 e juntas têm capacidade instalada suficiente para atender 14% da demanda nacional de ureia. Ambas apresentaram resultado deficitário de 2013 a 2017.

Foram paralisadas em 2018 e só retomadas com o arrendamento à Unigel. Forma encontrada pelo governo Bolsonaro de fazer dinheiro com algo que dava prejuízo e estava parado.

VEJA: Havan e empresário recebem multa milionária por suposta coação eleitoral

A companhia é a 2ª maior petroquímica do Brasil, mas vem enfrentando dificuldades financeiras. De janeiro a setembro de 2023 já sob Lula, o grupo acumulou um prejuízo de R$ 1,05 bilhão. No mesmo período de 2022, a empresa tinha registrado lucro de R$ 491 milhões.

A gestão de Jean Paul Prates negociou uma forma de retomar a produção, uma vez que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vinha cobrando ações da estatal no setor de fertilizantes. O arranjo encontrado para o curto prazo foi o tolling, assinado no final de 2023 e com vigência de 8 meses.

MAIS: Léo Pinheiro ex-presidente da OAS ícone da Lava-Jato também pede anulação de acordos e sentenças a Toffoli

A possibilidade do tolling já tinha sido anunciada em novembro por Prates. Na ocasião, o CEO disse que esse seria um caminho provisório, mas que seria estudada uma medida de longo prazo. Uma das possibilidades é a criação de uma joint venture com a Unigel para operação da fábrica até o final do contrato de arrendamento.

SAIBA: Com mais aperto 2023 tem menos arrecadação e quase 4 empresas fechando por minuto

Na ocasião, ele explicou como funciona o modelo: “Nesse arranjo de tolling, a planta roda a nossa produção e vamos obter produtos para nós mesmos. A Petrobras coloca o gás, eles produzem e comercializam para nós. Ou seja, operam para nós. É um serviço. A empresa paga pelo arrendamento, mas opera para nós como prestadores de serviço“, disse.

Patrocinado

SEM COMENTÁRIOS