Maior exportador de Petróleo mostra sinal vermelho

O impacto do petróleo na MENA Sociedades

0
272
maior exportador de petróleo mostra sinal vermelho
Petróleo perdendo força como comodite base da economia

Maior exportador de Petróleo mostra sinal vermelho

Durante décadas, a Arábia Saudita encabeçou listas dos principais produtores e exportadores do combustível. No entanto, o país anunciou sua intenção de abandonar o chamado ouro negro para poder sobreviver sem a renda proporcionada pelo petróleo.

A façanha é através da criação daquele que seria o maior fundo soberano do mundo, com recursos de US$ 2 trilhões. Mais do que o dobro do maior fundo de investimentos estatal existente hoje, o da Noruega, com US$ 865 milhões.

Para que o fundo soberano saudita, hoje com US$ 160 bilhões, alcance os US$ 2 trilhões, Riad planeja uma ação inédita. Quer privatizar 5% das ações da petroleira estatal Saudi Aramco.

“Temos um caso de dependência de petróleo no Reino da Arábia Saudita, que é perigoso.” É o que diz Muhammad ibn Salman Al-Saud, vice-príncipe herdeiro e ministro da Defesa. Ele continuou: “Devemos tratar o petróleo como um investimento, não uma mercadoria primária ou absoluta.”

Este é precisamente o impulso por trás da “Visão Arábia 2030.” O plano foi elaborado pelo príncipe Muhammad e seu objetivo é a desmamar o maior exportador mundial de petróleo de sua “dependência perigosa” até 2030 .

O plano de 15 anos vem em um momento de instabilidade econômica e política histórica. Desde junho de 2014 os preços do petróleo, que normalmente tinham sido mais de US $ 100 por barril caíram abaixo de US $ 50 e não se recuperaram. O Petróleo cortou mais de 350 mil postos de trabalho do setor de energia em apenas um ano. Apenas no Estados Unidos 120.000 postos de trabalho.

“A economia da fome venezuelana literalmente mostra reflexos da dependência do petróleo. Enquanto isso, grande parte do Oriente Médio ainda sofre de guerra, manifestações populares e repressão do governo renovado”, diz Enram El Badawi.

O impacto do petróleo na MENA Sociedades

Segundo Emran El-Badawi, Professor Associado de Estudos do Oriente Médio da Universidade de Houston em seu artigo na Forbes a religião tem tudo a ver com o petróleo nesta região. Ou como o príncipe Muhammad resume: “Nossa constituição tornou-se Escritura, Tradição e óleo!”

Rei Salman Al-Saud continua a ser o “guardião dos lugares santos.” Seu Reino é, simultaneamente, o estado membro mais poderoso da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), bem como a Organização de Cooperação Islâmica (OIC).

“O rei Saudita controla mundialmente o petróleo, tanto quanto ele faz Islã moderno. É aí que reside a gravidade deste plano econômico”, diz Enram El-Badawi

A questão do petróleo é bastante extensa e séria, influencia diretamente a economia global e também questões culturais. Algo que deve-se estar atento. O comportamento dos países do Oriente Médio certamente será diferente do da Venezuela.

Facebook Comments