Patrocinado

Após novos ataques de Lula ações da Vale (VALE3) voltam a sofrer. Embora tenha desistido de acomodar o ex-ministro Guido Mantega no cargo de presidente ou como conselheiro da Vale, Lula (PT) ainda não se esqueceu da mineradora. Estamos noticiando aqui no Portal Investidores Brasil, semanalmente as tentativas de Lula para dominar a empresa de capital aberto e privada.

Em entrevista à RedeTV, o petista fez uma série de críticas à Vale e cobrou uma nova política de mineração para o país.

AINDA: Líder do governo Lula quer punir parlamentar que votar para impeachment de Lula, tirando autonomia parlamentar

“A Vale está tendo um problema no estado do Pará, está tendo um problema no estado de Minas Gerais. A Vale não pagou as desgraças que eles causaram em Brumadinho, não construiu as casas que prometeram. Criaram uma fundação para cuidar e agora a Vale agora fica fazendo a propaganda como se fosse a empresa que mais cuida desse país”, afirmou.

SAIBA: Manifestação em apoio a Bolsonaro reúne mais de 750 mil pessoas segundo SSP

Acesse as notícias que enriquecem seu dia em tempo real, do mercado econômico e de investimentos aos temas relevantes do Brasil e do mundo pelo telegram Clique aqui. Se preferir siga-nos no Google News: Clique aqui. Acompanhe-nos pelo Canal do Whastapp. Clique aqui.

LEIA: Judiciário e Executivo estão alinhados 

“O que nós queremos é mais responsabilidade. Inclusive, a quantidade de minas que está (sic) nas mãos da Vale que elas não exploram em mais de 30 anos e fica funcionando como se fosse dona [do Brasil], vendendo [ativos]. A Vale está ultimamente vendendo mais ativo do que produzindo minérios de ferro. E está perdendo o jogo para muitas empresas australianas. O que nós queremos é ter uma nova política mineral”, acrescentou.

As ações da Vale que tinham se recuperado no dia anterior, já abriram em queda nesta quarta-feira 28, em dado momento da manhã a baixa chegou a quase 2%, antes da publicação desta matéria.

Em entrevista à RedeTV, o petista fez uma série de críticas à Vale e cobrou uma nova política de mineração para o país.

MAIS: Capital estrangeiro no país tem pior saldo desde 2016 com insegurança jurídica, controle totalitário de Lula

A informação de Lula não é verdadeira, a Vale tem feito acordos e realizado indenizações, o último deles anunciado da ordem de US$ 1,2 bilhão.

SAIBA: Pela primeira vez Lula evita falar de Bolsonaro. Jornalista questiona e é vaiada

Empresas devem seguir o pensamento do governo?

Lula também disse que as empresas brasileiras precisam seguir o pensamento do governo brasileiro, sem esclarecer se estava se referindo a todas as empresas ou apenas àquelas que possuem participação da União. A participação da União na Vale é minoritária.

“A Vale não pode pensar que ela é dona do Brasil, não pode pensar que ela pode mais do que o Brasil. Então o que nós queremos é o seguinte: empresas brasileiras precisam estar de acordo com aquilo que é o pensamento de desenvolvimento do governo brasileiro. É isso que nós queremos”, afirmou.

LEIA: Governo envia toneladas de alimento para ditadura Cubana. Brasil tem 21 milhões sem comer diariamente

Mantega na Vale

Como registramos, Lula incumbiu o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, da missão de tentar convencer os diretores da Vale a endossarem a indicação de Guido Mantega, culpado pelas pedaladas fiscais no governo Dilma, para uma boquinha como presidente ou como conselheiro da mineradora.

Os acionistas da empresa receberam a notícia com espanto, e as ações da Vale responderam negativamente assim que os rumores sobre o assunto se espalharam no mercado financeiro.

AINDA: Lula assina MP que eleva gastos em R$ 20 bilhões sem aprovação do Tesouro

Auxiliares do presidente e sócios privados chegaram a elaborar um plano em que Mantega ocuparia uma cadeira no conselho de administração da Vale, mantendo o atual presidente Eduardo Bartolomeo no cargo por um período de mais um ano.

Mantega foi inabilitado em 2016 de assumir cargos públicos pelo Tribunal de Contas da União por conta de sua participação nas “pedaladas fiscais” do governo Dilma Rousseff. A decisão, porém, foi suspensa no ano passado por determinação do TRF-1.